Coreia do Sul e sua regulamentação nas cripto moedas.

Banner Rotativo

1- Qual é o tamanho da influencia da Coreia do Sul no mundo das Cripto Moedas? 

Acredita-se que depois dos EUA e do Japão, a Coréia do Sul é o maior mercado mundial de cripto moedas.

A população da Coréia do Sul não é maior do que a Califórnia e o Arizona juntos, mas é o enorme envolvimento de sua população que, na sua maioria, dita o valor das cripto moedas em todo o mundo.

A especulação das cripto moedas parece ter sido irracionalmente superada e o governo da Coréia do Sul agora quer tomar medidas para conter a mania de cripto moedas no país.

d1fadc677f3b17668d19477df4964f55.png

2- Como a Coréia do Sul influencia os preços das cripto moedas?

Simplificando, por especulação.

A Blockchain Industry Association estimou que a Coréia do Sul tem mais de uma dúzia de corretoras de cripto moedas, incluindo Bithumb, Korbit e Coinone. Isso significa que, mesmo em um país com menos de 50 milhões de pessoas, a demanda por cripto moedas é tão grande que as corretoras negociaram a preços superiores a 30% maiores do que outros países.

De acordo com um estudo, 80% dos investidores sul-coreanos se beneficiaram de investimentos em cripto moedas. Mais de um terço dos coreanos assalariados têm uma média de US$ 5.000 em cripto moedas – uma grande adoção de um veículo de investimento não testado com base apenas em especulações. 

9733b8820a6f1bd233335ea051274d17.png

3- Então, o que está acontecendo no mercado de cripto moedas sul-coreano?

Muitas coisas, na verdade.

Muito foi dito sobre a turbulência que atualmente vemos na Coréia do Sul. Tudo começou com o governo sul-coreano oficialmente legalizando os prestadores de serviços do Bitcoin para facilitar pagamentos, transferências e negócios em julho de 2017, causando um crescimento significativo na demanda por operações de cripto moedas no país.

Em agosto de 2017, ataques de hackers norte-coreanos visando as corretoras do Bitcoin sul-coreano e, no início de setembro, fizeram surgir rumores de que a Coréia do Sul planeja impor regulamentações mais rígidas sobre moedas digitais.

Em dezembro, esses rumores tornaram-se mais sérios com base em especulações de que isso iria se transformar em uma proibição absoluta das corretoras de cripto moedas.

Neste ponto, a Coréia do Sul já havia passado a China no volume de negócios.

4- O que 2018 mostrou até agora?

O ano começou difícl.

O governo anunciou novos planos regulatórios para proibir a negociação anônima de cripto moedas para controlar a especulação. Pouco depois desse anúncio, o CoinMarketCap removeu várias corretoras sul-coreanas de seu site, indicando extrema divergência de preços como o motivo.

Isso resultou em cerca de US$ 20 bilhões apagados do limite de mercado da Ripple.

Então as notícias de uma proibição completa de cripto moedas surgiram novamente após uma declaração do Ministério da Justiça, seguido quase que imediatamente por uma retração do escritório do presidente sul-coreano.

5- Como investidores operam na Coreia do Sul?

Principalmente através de uma conta bancária virtual.

Os principais bancos, incluindo o Shinhan Bank, o segundo maior do país, fornecem corretagem de  cripto moedas com contas bancárias virtuais. Cada usuário ou investidor pode usar a conta bancária virtual para depositar ou retirar grandes quantidades de Won Coreano sem ter que usar contas bancárias reais, o que pode ser dispendioso e demorado.

Este é um dos fatores que alimentaram a cripto moeda no país. No entanto, a indústria está agora debaixo do radar do governo que, entre outros temores, está preocupado com o fato de os fundos ilegais entrarem no mercado e a manipulação de preços das cripto moedas será baseada em investimentos especulativos.

6- As propostas de proibição vão funcionar?

Na verdade já funcionam.

O governo começou a notar grandes flutuações impulsionadas pela especulação no mercado de cripto moedas desde setembro de 2017. Para evitar a lavagem de capitais e os crimes relacionados, os planos para proibir a negociação anônima nas corretoras domésticas foram relatados em dezembro de 2017.

O primeiro-ministro sul-coreano, Lee Nak-Yeon, advertiu sobre o perigo de as cripto moedas serem um gateway fácil para a geração mais jovem (particularmente os estudantes) se envolverem em atividades ilegais que vão desde o tráfico de drogas até esquemas de pirâmide.


Apesar da falsa representação da mídia de “regulamentação mais rigorosa para criptografia”, em 31 de janeiro de 2018, o ministro das Finanças Kim Dong-Yeon assegurou que não haveria proibição de cripto moedas no país.

7- Tem mais?

Infelizmente, parece que sim

Em meio a toda a confusão da proibição de cripto moedas, alguns funcionários do governo foram acusados de abuso de informações.

O governo também anunciou que eles estarão taxando as corretoras de cripto moedas a uma taxa de 24,2%, de acordo com o código tributário sul-coreano para todas as empresas que obtêm uma renda anual de mais de 20 bilhões de won.

E, além de proibir o comércio anônimo, também haverá uma proibição de estrangeiros e menores de abrir novas contas em corretoras.

8- Como o governo sul-coreano reforçará as proibições?

Principalmente através de sondagem financeira.

O governo congelou a abertura de novas contas virtuais e os investidores de cripto moedas não poderão fazer depósitos em suas carteiras de corretoras virtuais, a menos que o nome da corretora de cripto moedas coincida com o de suas contas bancárias.

As autoridades financeiras também solicitaram corretoras de cripto moedas para rever seus sistemas Know-Your-Customer (KYC) e anti-lavagem de dinheiro (AML).

 

 

Fonte:cointelegraph

Deixe seu cometário